Plantão

Que estratégia o Brasil deve adotar para reindustrializar e inovar?

Teoria dos saltos e armadilhas

O termo armadilha da renda média foi cunhado na literatura econômica nos anos 2000 para designar aqueles países que, após superarem a renda baixa, apresentam um crescimento econômico insuficiente para dar o próximo salto. Entre os dilemas para cair nessa armadilha estariam questões relacionadas à elevação do nível de educação e o seu consequente aumento de produtividade.

De acordo com o Banco Mundial, entre os países que superaram a renda baixa nas últimas décadas, apenas Japão, Coreia do Sul, Cingapura, Israel, Ilhas Maurício, Taiwan e Hong Kong contornaram a armadilha - atualmente, a continuidade desse crescimento econômico está relacionada com a inovação.

"Prefiro usar o termo armadilha da inovação média no lugar de armadilha da renda média. A segunda é apenas o resultado da primeira," defendeu o professor Jeong-Dong Lee, da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, durante a conferência internacional InSySPo (Innovation Systems, Strategies and Policy), realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Jeong-Dong defendeu a teoria dos saltos e armadilhas, em que até mesmo países que contornaram a armadilha da renda média correm o risco de estagnar e sofrer limitações se não desenvolverem capacidade de inovação que vá além do bom desempenho e do bom desempenho operacional.

Concentração da inovação

Para outro participante do evento, Otaviano Canuto, diretor executivo do Banco Mundial, o problema agora é outro.

"Esses países têm apresentado uma capacidade fantástica de adaptar processos produtivos e de serem criativos com produtividade e altíssimo nível de incorporação de conhecimento na produção. Porém, a capacidade de criar o novo produto, de criar novas indústrias, eles não têm," disse Canuto, que é autor do livro Brasil e Coreia do Sul: os (des)caminhos da industrialização tardia.

Nicholas Vonortas, da Universidade George Washington, EUA, ponderou que é difícil comparar os dois países (Brasil e Coreia do Sul), por estarem em estágios econômicos distintos e serem de tamanhos muito diferentes; mas o Brasil pode tirar lições importantes do que está ocorrendo com a Coreia do Sul. "Tendemos a imaginar que eles resolveram o problema, pois superaram etapas importantes. Porém, eles olham para o outro lado do mar e ficam assustados em ver que correm o risco de ficar mais parecidos com o Japão, que está no mesmo patamar há 20 anos e parece não sair do lugar", disse.

Para Vonortas, no Brasil a inovação está concentrada em algumas regiões. "Existem poucos lugares que subiram degraus, como o Estado de São Paulo. Mas ainda assim o Brasil está em um período interessante. Há uma economia dupla com boas empresas e boas universidades trabalhando juntas. E uma nova onda de pequenas empresas nascendo a partir das universidades," disse. Segundo ele, é preciso ampliar a conexão entre as regiões onde a inovação está concentrada com o resto do país.

Diversificação

Franco Malerba, professor de Economia Aplicada na Universidade Bocconi, em Milão (Itália), destacou que não existe uma única receita para se criar um ecossistema de alto impacto em inovação.

"Alavancagem econômica é um deles, e não significa clonagem. É um processo dinâmico e que invariavelmente diverge daqueles usados por países que serviram como referência. Cada economia emergente fez de modo diferente porque os países seguem diferentes trajetórias de avanços tecnológicos e de processos," disse.

Outra variável importante para a diversificação é identificar os pontos fortes de cada região e, em vez fortalecê-los ainda mais, buscar trabalhar outras áreas. Para Ron Boschma, professor de Economia Regional nas universidades de Utrecht (Países Baixos) e Stavanger (Noruega), antes de desenhar qualquer modelo é preciso identificar os pontos fortes de cada economia para diversificá-la espacialmente por meio de parcerias.

Em um estudo recente realizado na Suécia, Boschma identificou que a ascensão e a queda de indústrias estão fortemente ligadas à relação da indústria no nível regional. "Uma boa forma de entender os movimentos das regiões está nas conexões dos movimentos de capacidades que a região tem e como as possibilidades de diversificação dependem muito do aprendizado anterior", disse.





Outras notícias sobre:

Mais Temas