Meio ambiente

Harpa de neblina captura mais água do ar ambiente

Harpa de neblina captura mais água do ar ambiente
Detalhe das cordas da "harpa de neblina", que otimizam a colheita de água. [Imagem: Weiwei Shi et al. - 10.1021/acsami.7b17488]

Harpa vence rede

A instalação de grandes redes ao longo de encostas e montanhas para captar água da umidade do ar atmosférico trouxe esperanças de uma via alternativa para suprir de água potável milhões de pessoas que vivem em climas áridos e semiáridos em todo o mundo.

Mas os resultados não têm sido os esperados: mesmo com altos níveis de umidade, é difícil projetar a rede ideal para lidar com as condições variáveis do ambiente.

Se os orifícios da malha forem muito grandes, as gotículas de água da neblina passam direto e não são capturadas. Se a malha for muito fina, a rede captura mais água, mas as gotículas "entopem" a malha, sem escorrer pelo coletor, interrompendo a coleta.

O recado de Weiwei Shi e seus colegas da Universidade de Tecnologia Virgínia, nos EUA, é simples: Esqueça as redes; use harpas.

A "harpa" que Shi projetou é um sistema simples de fios instalados verticalmente com intervalos regulares - como as cordas de uma harpa.

Como as gotas da água coletada precisam descer por gravidade até o coletor, nada mais natural do que remover os fios horizontais e inclinados - natural, mas ninguém havia pensado nisso antes. Como não há buracos para que a água fique presa devido à sua tensão superficial, toda ela desce, aumentando drasticamente a coleta.

Harpa de neblina captura mais água do ar ambiente
O projeto parece complicado, mas a equipe precisava de um aparelho que permitisse testar as melhores configuração de espessura e espaçamento dos fios. [Imagem: Virginia Tech]

Coleta de água potável do ar

Com o sucesso do protótipo em escala de laboratório, a equipe já construiu uma harpa maior, com 700 fios, e está colocando-a em uma região típica para a coleta de água a partir da umidade do ar ambiente, onde o rendimento poderá ser monitorado ao longo das quatro estações.

O sistema deverá custar mais caro do que as redes, já que ele precisa ser construído em módulos com bordas rígidas, para manter os fios alinhados verticalmente e devidamente espaçados. Mas a diferença de preço pode valer a pena para quem não dispõe de outras formas de conseguir água potável.

Bibliografia:

Fog Harvesting with Harps
Weiwei Shi, Mark J. Anderson, Joshua B. Tulkoff, Brook S. Kennedy, onathan B. Boreyko
ACS Applied Materials & Interfaces
Vol.: 10 (14), pp 11979-11986
DOI: 10.1021/acsami.7b17488




Outras notícias sobre:

Mais Temas